Escassez de profissionais em IA: Quais os motivos?

Adriano Martins Antonio

Adriano Martins Antonio

em 15 de julho de 2021

Fique ligado

​Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Frequentemente, ouvimos falar do “apagão” que ronda o setor de TI em relação ao número de profissionais. Diversas pesquisas já apontaram e confirmaram esse gap, e é um desafio que as empresas que precisam de tecnologia precisam lidar. E em relação a essa escassez de profissionais, uma área em específico me incomoda bastante: a de Inteligência Artificial (IA).

Robô de Inteligência Artificial digitando em um notebook

Várias empresas têm buscado os talentos de IA, uma vez que a sua importância estratégica para um negócio é gigantesca. Por outro lado, esse é um mercado de profissionais que não está mais acelerado, mesmo com a pandemia da Covid-19.

A escassez em números

Para se ter uma dimensão do mercado atual, um bom exemplo é recorrer aos números.

Nesse caso, os dados/números podem ser vistos a partir de uma pesquisa da RELX realizada no ano passado com mais de mil executivos. Segundo essa pesquisa, a adoção de IA acelerou demais por conta da pandemia em meio à transformação digital. Agora, quatro em cada dez empresas usam IA de forma séria, um aumento de um terço se olharmos para 2018.

Ao mesmo tempo, a capacitação ainda é algo que está em falta. Os principais motivos (que abordarei com mais detalhes mais pra frente nesse artigo), segundo essas empresas, são as restrições orçamentárias (44%) e a falta de conhecimento técnico (39%).

O mais curioso disso é que usuários de IA mais avançada são os que justamente mais sofrem com a escassez de profissionais capacitados. Isso foi citado por 23% dos entrevistados de um estudo da Deloitte.

Até por isso, empresas têm buscado novos caminhos nesse sentido. Ainda segundo a Deloitte, dois terços do grupo da pesquisa que já estão mais maduros em relação à IA treinam seus desenvolvedores para criar novas soluções (64% em comparação com 43% dos iniciantes) e treinando cada vez mais a sua equipe. Além disso, há um incentivo para que os funcionários utilizem mais a IA nas suas funções (67% em comparação com 48% dos iniciantes).

Mais um motivo pelo qual o especialista em IA continua sendo uma das atividades mais valorizadas da área de tecnologia. Inclusive, essa foi uma das profissões consideradas emergentes pelo LinkedIn no ano passado.

Quais os motivos para essa escassez?

Os salários competitivos, os benefícios e as táticas de recrutamentos que envolvem um especialista em IA são mais do que um sinal vermelho de que a oferta de talentos de IA está longe de suprir a demanda.

Conforme o IA e o Machine Learning se expandem, mais e mais as empresas sentem que essa é uma tecnologia crucial para o sucesso dos negócios. C-Levels e pessoas da alta direção de uma organização enxergam o potencial disso, e querem a todo custo tornar esse “conceito” algo bem-sucedido.

Uma pesquisa da O’Reilly ainda de 2018, intitulada “Como as empresas estão colocando a IA para funcionar por meio do deep learning revelou que a lacuna de habilidades em IA é a maior barreira para a implantação de projetos de IA em uma empresa. Ao mesmo tempo, uma pesquisa da Ernst & Young confirmou que 56% dos profissionais seniores de IA acreditavam que a falta de profissionais ainda era um grande impedimento para a área.

Um bom motivo para essa crise de habilidades é que cursos e programas acadêmicos – tanto no Brasil quanto no exterior – não conseguem manter o mesmo nível de inovação que uma tecnologia como essa oferece. Além disso, profissionais de IA precisam também de experiência prática para se desenvolver, uma vez que estamos falando de uma área complexa, que mexe com assuntos como Data Science, Estatística e Programação. Se não há incentivo dessa prática, fica difícil com que haja algum desenvolvimento do setor nessa direção.

Outro fator que colabora com isso é a IA ser uma tecnologia em evolução, o que diminui um pouco o esforço por aprender a se especializar na área.

Quais os impactos disso no Brasil?

Tudo que eu falei até agora é um cenário global, mas como isso se dá no Brasil? Quais os impactos nesse caso para o desenvolvimento da IA no país?

Um estudo encomendado pela IBM e conduzido pela Morning Consult revelou que essa falta de habilidades se acentua por aqui; para 79% dos profissionais de TI, essa é a principal barreira para desenvolver e gerenciar IA confiável.

Por outro lado, temos uma boa notícia: atualmente o Brasil é o país que mais contrata profissionais de IA no mundo, uma vez que existem um grande número de startups que investem e dependem dessa tecnologia que são brasileiras.

Mas investimento não é tudo! O Brasil ainda é o 63º colocado quando falamos de preparo, segundo o 2020 Government AI Readiness, da Oxford Insights. Ou seja, estamos falando de um país que, mesmo sendo um grande investidor de IA, ainda não tem mão-de-obra qualificada o suficiente. O que é uma pena, uma vez que isso acaba tornando o seu desenvolvimento no país algo mais gradual e lento.

O que fazer para superar esse desafio?

Para superar o desafio em relação à escassez de talentos, é preciso que a formação de um especialista em IA forme profissionais que não se limitem apenas a compreender o que é uma análise de dados ou como programamos para construir uma máquina que aprende. É necessário entender a complexidade de um projeto de IA tentando agregar isso para o negócio.

Enfim, se você ficou com alguma dúvida ou gostou dessa discussão, deixe nos comentários!

E não deixe de conferir o nosso novo lançamento: o livro Inteligência Artificial – O Grande Avanço da Era Digital. Para saber mais, clique aqui!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Artigos Relacionados

Artigos
Adriano Martins Antonio

O que é Big Data?

A expressão Big Data não é recente – é possível encontrá-la nos dicionários durante a última década e o seu conceito é ainda mais antigo:

Leia Mais »

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *