O que é arquitetura de segurança corporativa?

Adriano Martins Antonio

Adriano Martins Antonio

em 30 de junho de 2022

Fique ligado

​Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Os ataques cibernéticos se tornaram uma grande preocupação para todas as empresas, independentemente do segmento, não é? Isso porque o cenário de ameaças aumentou de maneira exponencial.

Juntamente, os atores de ameaças melhoraram a velocidade, intensidade e complexidade dos ataques, o que disparou o custo de uma violação de segurança. Ransomware, violação de dados e outras ameaças viraram as principais preocupações das organizações.

Inclusive, isso já se tornou assunto no blog: leia aqui sobre quem são os atores de ameaças e como eles atuam.

Sobre a arquitetura de segurança corporativa

Ao mesmo tempo que as ameaças crescem, a infraestrutura corporativa está se tornando cada vez mais complexa e o perímetro de segurança tradicional está fragmentado.

Nesse caso, o crescimento do trabalho remoto, a infraestrutura em nuvem, o uso de dispositivos móveis e IoT criam desafios de segurança.

Por isso, a arquitetura de segurança cibernética do passado pode ter sido suficiente para gerenciar ameaças cibernéticas menos sofisticadas e contínuas. Porém, a proteção contra as ameaças cibernéticas mais avançadas requer uma arquitetura de segurança moderna.

Enfim, as empresas são diferentes de computadores simples. Quando existem vários sistemas trabalhando juntos, há preocupações de arquitetura para garantir que os elementos possam atuar em conjunto de maneira confiável e segura.

Dessa maneira, os arquitetos corporativos tratam de estabelecer e seguir um formulário padronizado para seus sistemas, definindo configurações e interfaces para que os sistemas possam estar coordenados.

Inúmeras opções estão disponíveis ao configurar um sistema, e a arquitetura corporativa existe para orientar as pessoas a fazer escolhas de configuração que auxiliam na interoperabilidade e na segurança.

Princípios fundamentais da arquitetura de segurança corporativa

A arquitetura de segurança corporativa é uma estratégia para fornecer proteção abrangente para uma organização contra ameaças cibernéticas. 

Portanto, podemos estabelecer 3 princípios básicos: consolidação, confiança zero e prevenção de ameaças:

Consolidação

Implantar, configurar e gerenciar todas as soluções consome tempo e recursos significativos, além de gerar um volume enorme de alertas, o que prejudica a visibilidade da segurança e o gerenciamento de ameaças.

Dessa forma, uma arquitetura de segurança consolidada é essencial para gerenciar de forma eficaz e escalável o risco de segurança de uma organização.

A integração de segurança permite a visibilidade da segurança e o gerenciamento de ameaças por meio de uma interface centralizada e fácil de usar, eliminando a troca de contexto ineficiente.

Confiança zero

Muitas vezes, as empresas adotam uma abordagem de segurança com foco no perímetro, na qual os internos são inerentemente confiáveis e recebem acesso e permissões que não são necessários para sua função.

Como resultado, a maioria das violações de dados envolve o abuso de contas privilegiadas.

Logo, uma estratégia de segurança de confiança zero adapta as permissões atribuídas a um usuário, aplicativo ou sistema para o que é necessário para sua função. Isso limita a probabilidade e o impacto de incidentes de segurança, limitando o que um potencial invasor pode acessar no ambiente de uma organização.

Uma arquitetura de segurança corporativa torna possível a confiança zero efetiva. A integração de segurança em toda a empresa permite a aplicação consistente de controles de acesso de confiança zero em todo o ambiente de uma organização.

Prevenção de ameaças

Aliás, as arquiteturas de segurança corporativa são focadas na detecção.

Depois que uma ameaça é identificada, as ferramentas de segurança e a equipe tomam medidas para bloquear ou remediar a invasão. 

No entanto, essa estratégia focada na detecção significa que o Centro de Operações de Segurança está sempre reagindo a ataques, oferecendo a oportunidade de causar danos ou expandir sua base antes que a resposta a incidentes comece.

Obviamente, a prevenção é uma abordagem estratégica para o gerenciamento de ameaças.

Uma arquitetura de segurança corporativa deve tomar medidas proativas para bloquear os vetores de acesso usados por ciberataques e identificar e bloquear ameaças antes que elas atinjam os sistemas corporativos.

Assim, com a prevenção, um invasor não tem oportunidade de acessar ou danificar sistemas corporativos, minimizando o custo e o impacto de um ataque na organização. 

É possível avaliar a segurança cibernética de sua empresa. Não sabe como? Acesse o texto aqui do blog!

Fases do processo de arquitetura de segurança corporativa

Existem 4 fases principais:

1– Avaliação de risco: nesta fase inicial, o arquiteto avalia a influência comercial de ativos vitais, as chances potenciais de um ataque e os efeitos de vulnerabilidades e ameaças à segurança.

Ou seja, as avaliações de risco servem para fornecer uma visão abrangente do estado atual da postura cibernética da empresa.

2– Projeto: depois, o projeto e a arquitetura dos serviços de segurança, que facilitam os objetivos de segurança do negócio, são desenvolvidos pelo arquiteto.

Em síntese, essa fase é essencialmente o roteiro de como lidar ou fortalecer a infraestrutura de segurança cibernética da empresa e quais medidas precisam ser tomadas para uma proteção aprimorada.

3– Implementação: com a criação do plano geral, a próxima fase trata de colocar as etapas em ação.

Os serviços e processos de segurança são implementados, operados e controlados; os serviços de garantia são projetados para garantir que a política, os padrões de segurança, as decisões de arquitetura de segurança e o gerenciamento de risco sejam refletidos na implementação de tempo de execução real.

4– Operações e Monitoramento: a fase final abrange os processos subsequentes do cotidiano, como gerenciamento de ameaças e de vulnerabilidades.

Aqui, medidas são tomadas para supervisionar e lidar com o estado operacional, além da profundidade e amplitude da segurança do sistema.

E para se qualificar em Segurança Cibernética e outras áreas relacionadas a Segurança da Informação, aproveite as trilhas de formação do plano de assinatura da PMG Academy.

Então, percebeu a importância da arquitetura de segurança corporativa? Leia os outros textos do blog e tire suas dúvidas no comentário, se tiver!

Facebook
Twitter
LinkedIn

Artigos Relacionados

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *